quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Meu filho está crescendo: Desenvolvimento e crise

Olha como cresceu e engordou! Com 7 dias pesando em média 3,600kg e 49cm e com 74 dias medindo em media 62cm e 6,500kg.
a cada dia que passa mais fica mais apaixonante ser mãe...

Meu bebê já: 
- dorme a noite toda, 
- vocaliza muitos sons diferentes, 
- pega objetos, 
- segura com firmeza, 
- sustenta bem a cabeça tanto em pé como de bruços, 
- ele olha tudo e todos, 
- procura sons 
- adora desenhos animados,
- ri muito,
- se dá bem com todo mundo,
- pensa que sabe andar kkk

                   7 dias                                                 74 dias
  

Mas mesmo com tantas coisas gostosas acontecendo, sinto que ele está passando pela crise dos três meses (já?) pois ele só quer colo, ele ainda dorme bem, mas se ele percebe que não estou no quarto com ele, já acorda chorando. Os sintomas são esses:

(Pietro ainda não tem 3 meses, mas não é regra acontecer tudo na mesma data né..)

A crise dos 3 meses

Com o tempo, o seio se enche e elimina o leite com mais facilidade e o bebê suga mais intensamente. Conclusão: a sucção fica mais eficaz e o tempo de mamada pode diminuir sensivelmente. Ao contrário do que a mamãe possa pensar, o bebê não está mamando menos, tanto que, quer seja por livre demanda (o ideal) ou não, o intervalo das mamadas se mantém ou até aumenta.

Além disso, aos 3 meses, quando o bebê começa a enxergar melhor, quem ele vê? Sua mãe. E ele se diverte assim; e ela também. Nesse momento, o bebê começa a ter a percepção que ele não é parte da mãe, mas sim um ser diferente dela, muito próximo dela, mas não é parte dela. Ou seja, o bebê tem a percepção do primeiro outro. Sua mãe.

E a "consciência" de que existe um ambiente visível, audível e palpável, além do olhar e do seio materno pode, por exemplo, distraí-lo durante uma mamada. Como se concentrar se há tantos estímulos, tanto para conhecer?

Mais um dado que contribui para a preocupação materna é que, associado ao menor tempo de mamada acontece uma diminuição do ganho de peso e um enchimento de seio não tão intenso quanto no início. E, muitas vezes, essa insegurança faz com que mães, pais, avós e até pediatras introduzam fórmulas infantis para complementação alimentar. Uma vez constatado que o bebê está clinicamente bem, vamos todos respirar bem fundo e raciocinar.

Se um bebê que nasceu com 3 kg (média) ganhar 1 kg todos os meses, ao final de 1 ano ele estará pesando... 15 kg. A média de peso esperada para 1 ano de idade é de 9 kg (em média, segundo a mais recente tabela de 2006 da OMS). Assim, em 1 ano, esse bebê tem que ganhar 6 kg. E se nos primeiros 3 meses ele ganhou 2 a 3 kg, sobram 3 a 4 kg para ele ganhar nos próximos 9 meses. Assim, fica matematicamente comprovado que o bebê deve diminuir (e muito) seu ganho de peso mensal para que ele não inicie, desde muito cedo, seu processo de obesidade infantil.

Mas, se durante o dia, essa situação nova, apesar de incomodar um pouco a mãe, é solucionada com o tempo e com as consultas e explicações do pediatra, as noites podem não ser tão inofensivas assim. Afinal, a criança que dormia quase a noite toda pode começar a acordar mais vezes e, na maior parte das vezes, as mães encontram apenas uma explicação: fome. E por quê? A criança chora algumas vezes. A mãe vai lá e ela para. A mãe sai e a criança volta a chorar e só se acalma quando, depois de muitas idas e voltas, ela mama. Mas isso é mesmo só e principalmente fome?

Nananinanão. Esta é a segunda crise de desenvolvimento e de angústia do bebê. O bebê vai sugar, sempre que o seio for oferecido, mesmo sem fome, porque isso representa estar novamente de volta à segurança do primeiro trimestre, quando mãe e bebê eram um só.

Se a mãe tiver a consciência de que isso é transitório, e tiver o suporte da família, e conseguir entender que é realmente ela quem tem que atender esses choros noturnos do bebê, e todos à sua volta a apoiarem nessa fase, em média, após 15 dias, a rotina tende a se restabelecer e todos poderão retomar suas vidas noturnas saudáveis, com um sono contínuo, sem que esse bebê tenha que ter sido medicado.

2 comentários:

  1. Que fofo! Quem me dera se antonella dormisse a noite toda... meu sonho!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Camila! Obrigada pela visita :) Antes o Pietro acordava 3 vezes, ai comecei a dar mais mamá pra ele antes de dormir e ele passou a me requisitar menos de madrugada. Penso nele como um carro: se você encher um pouco o tanque do carro e viajar, logo você terá que parar pra abastecer de novo. Se você encher o tanque o carro aguenta a viagem toda sem precisar abastecer novamente...
      Ah e as sonecas durante o dia tbm influenciam! Por incrível que pareça o Pietro tem que ter sonecas durante a manha, tarde e noite, caso contrário ele fica agitado de madrugada!
      Aprendi essas coisas e agora minhas noites viraram uma bênção!! :D

      Excluir